background

Tendências que dominarão o mercado de Internet até 2020

Tendências que dominarão o mercado de Internet até 2020

O mercado online está em constante atualização e é um dos mais voláteis no mundo tecnológico, sendo inundado, frequentemente, por novas ferramentas, recursos, comportamentos, ideias e inúmeras opções de comunicação. Aqueles que conseguem prever e acompanhar as inovações da Internet que moldam essa realidade, costumam sair na frente dos concorrentes, aproveitando melhor as oportunidades que elas trazem.

Pensando nisso, selecionamos 11 das principais tendências que dominarão o mercado de Internet até 2020, com base em estudos da Cisco e da Sandvine. Essas previsões não só trazem soluções tecnológicas inovadoras, como também refletem as mudanças nos hábitos dos internautas. Continue lendo e confira quais são elas!

1. Internet das Coisas

A Internet das Coisas, também conhecida pela abreviação IoT (Internet of Things), surgiu há alguns anos no mercado e, desde então, tem evoluído. Esse desenvolvimento será amplo até o final desta década e começo da seguinte, já que as conexões M2M (máquina para máquina) tendem a aumentar. Para se ter uma ideia, a taxa de crescimento de tráfego entre módulos M2M ficará em torno de 44%.

Atualmente, temos alguns tipos de eletrodomésticos (como geladeiras) e veículos que já se conectam a dispositivos como smartphones e tablets, seja por fio ou sem fio. Todavia, a tendência é que o número de equipamentos que se conectem a outros se expanda, sobretudo dentro de áreas residenciais e nos automóveis.

2. Streaming de áudio e vídeo

O streaming de áudio e vídeo tende a se elevar nos próximos anos. Segundo o Relatório Global de Fenômenos da Internet (América Latina e América do Norte) realizado pela Sandvine, 71% do volume de tráfego noturno nas redes de acesso fixo da América do Norte é proveniente desse tipo de serviço. É esperado, pela organização, que esse número chegue a 80% até 2020.

Atualmente, serviços como Netflix e Spotify caíram no gosto das pessoas, sendo seguidos por muitos concorrentes. Até a gigante do e-commerce Amazon lançou o seu próprio serviço de streaming de vídeos, a Amazon Prime Video, no ano passado. Isso quer dizer que esse meio poderá ser ainda mais disputado no futuro, já que tem se provado muito rentável e lucrativo.

Outro ponto é que pode haver migração dos serviços tradicionais de assinatura de TV a cabo ou satélite para o streaming, movimento que já ocorre nos países desenvolvidos e que começa a ganhar força no Brasil.

Como curiosidade, segundo as previsões da Cisco, ocorrerá o aumento no uso de serviços de vídeo sob demanda também, além da transmissão ao vivo por meio de redes IP. Também é estimado que, globalmente, o tráfego de vídeo IP chegue a 82% de todo o tráfego de Internet do consumidor em 2020, o que o coloca em um patamar bem acima dos 70% de 2015.

Na área de marketing, conteúdos em vídeo e áudio serão dominantes, de modo que é importante as empresas estarem atentas a isso na hora de reservarem investimentos para divulgação e estratégias voltadas à venda.

3. Cloud storage

O cloud storage (armazenamento na nuvem) é outra tendência que se destacará até 2020. De acordo com o relatório da Sandvine, o segmento superou o site Filesharing como a maior fonte de tráfego upstream (upload) da Internet, isso no período de pico em redes de acesso fixo da América do Norte.

Já temos visto, nos últimos anos, a chegada dos representantes de tecnologia cloud, como Dropbox, Google Drive e OneDrive da Microsoft. Todos eles se modernizaram e ganharam terreno na web. Além disso, a Apple, a Amazon e outras grandes empresas também estão crescendo nesse nicho.

4. Quase o dobro de velocidade de banda larga

Os dados da Cisco apontam que, até 2020, as velocidades globais médias de banda larga fixa atingirão 47,7 Mbps ante 24,7 Mbps em 2015. No Brasil, a média deve ficar perto de 19,5 Mbps no começo da década seguinte.

5. Aumento de tráfego e transações no mercado de Internet

O aumento de velocidade citado no tópico anterior acompanhará a elevação do tráfego global de IP, que chegará, até 2020, a 2,3 ZB zettabytes (ZB) por ano, ou 194 exabytes (EB) por mês, ainda segundo a Cisco.

Um ponto interessante é que o tráfego mundial da Internet em 2020 será equivalente a 95 vezes o volume de toda a Internet mundial no ano de 2005. No âmbito global, o tráfego per capta na Internet atingirá 21 GB até o início da próxima década, três vezes mais do que os 7 GB per capita em 2015.

As transações econômicas na web também tendem a elevar-se graças a esse fenômeno, acompanhando as tendências de crescimento do e-commerce que já vêm ocorrendo nos últimos anos. Afinal, com mais gente conectada, o mercado consumidor cresce.

6. Fortalecimento do mobile

O tráfego proveniente de dispositivos móveis superará o advindo de computadores pessoais (PCs) em 2020. No ano de 2015, os PCs representaram 53% do tráfego IP total, porém, até 2020, eles serão responsáveis por somente 29%. Já os smartphones chegarão a 30% do total mediante a 8% em 2015.

O tráfego de dispositivos móveis e sem fio serão responsáveis por cerca de dois terços do tráfego IP total até o começo da próxima década. Isso significa que os equipamentos com fio representarão 34%, enquanto o Wi-Fi e os dispositivos móveis serão responsáveis por 66% do tráfego IP.

Em contraposição, no ano de 2015 os equipamentos com fio geraram a maioria do tráfego IP, ficando em torno de 52%.

Isso demonstra que as organizações precisam estar atentas a conteúdos e soluções mobiles, pois eles, provavelmente, dominarão a Internet nos próximos anos.

7. Aumento do número de pessoas online

O número de equipamentos conectados nas redes IP chegará a três vezes mais do que a população mundial em 2020. Em termos numéricos, haverá cerca de 3,4 dispositivos em rede por pessoa até essa data, além dos 2,2 dispositivos em rede per capita de 2015.

O tráfego IP na América Latina chegará a 11,6 EB mensais em 2020, em uma Taxa Composta Anual de Crescimento (CAGR) de 21%. Para se ter uma ideia, o tráfego mensal de Internet na América Latina originará algo como 2 bilhões de DVDs, ou aproximadamente 9,9 EB mensais.

Vale destacar a Internet da África e do Oriente Médio, nos quais se espera um CAGR de 41% nesse período.

Com mais gente conectada em mais localidades do mundo, o mercado virtual tende a crescer, o que é bom para pequenas empresas conseguirem elevar suas vendas, mesmo em cenários de crise.

8. Aviões conectados

Dentre as inovações da Internet, temos novidades originadas do mercado de aviação. Ferramentas para comunicação entre aviões e com bases aéreas via satélite aumentam a conectividade das aeronaves. Novas tecnologias tornam a troca de informação mais rápida, segura e possui custo mais acessível, o que viabiliza, economicamente, a sua implementação.

Com esse serviço, os clientes das companhias aéreas passam a ter acesso à Internet para diversas finalidades como ver e-mails, notícias, jogar, acessar suas plataformas de streaming, redes sociais e trabalhar. Essas diversas possibilidades transformam o voo em uma experiência mais atraente para os consumidores. As empresas que oferecerem esses serviços terão uma forte vantagem competitiva.

Aviões conectados também aumentam a segurança da viagem. Uma vasta quantidade de informações que dizem respeito ao funcionamento da aeronave pode ser gerada a todo instante ao longo de um percurso. Assim, os responsáveis pela manutenção e controle de voo no solo podem identificar falhas em partes na aeronave e atuar remotamente. Isso vai reduzir acidentes e atrasos.

Já os pilotos passarão a contar com maior quantidade de informações que influenciam a viagem como dados sobre o clima, planos de voo e das condições dos aeroportos. Mais bem informado, o piloto pode tomar decisões com precisão e segurança para todos.

9. Casas conectadas

O mercado de casas conectadas acompanha o crescimento das aplicações que envolvem a Internet das Coisas (IoT). O uso de tecnologias junto às residências torna-se cada dia mais ofertado devido às interfaces com os sistemas instalados. Isso gera facilidade de uso, especialmente com o auxílio de comandos de voz e reconhecimento facial.

Casas inteligentes colocam vários benefícios à disposição dos seus moradores. Em relação à segurança, por exemplo, permitem maior controle sobre quem acessa o local. Existem também soluções para economia de energia, principalmente quando associado a um sistema de painéis solares — o recurso está associado a uma bateria para armazenar energia e ser utilizada fora dos períodos de maior incidência solar.

As informações geradas pelos dispositivos instalados nas casas podem ser acessadas em diversos objetos com acesso à Internet, como smartphones, painéis de veículos e computadores. Essa vasta gama de interações é fruto de uma grande convergência de inovações da Internet como IoT, cloud computing e o aumento da largura de banda para transferência de dados.

10. Mercado de games

mercado de jogos online, apenas no Brasil, foi de R$4,9 bilhões em 2016. Até 2020 deverá crescer 13,4%. Por aqui, a demanda por profissionais como designers e programadores, atuantes na criação de games, vem crescendo bastante. Esse trabalho também estimula o empreendedorismo, já que não é necessária infraestrutura muito grande ou complexa para começar.

Já no mercado global, segundo um estudo da Research and Markets, em 2013 o número de pessoas que jogam online era de, aproximadamente, 1,2 bilhões. O mercado tende a crescer 17,2% até 2020.

Para atingir os consumidores, as grandes empresas vêm investindo em modelos de negócio freemium, em que permitem ao usuário jogar por um período de teste e, após envolver-se mais com o produto, pagar por um pacote.

Uma importante tendência no mercado é o crescimento de jogos para plataformas como IOS e Android. Para alcançar um número maior de usuários em tablets e smartphones, as companhias oferecem games gratuitos com brindes virtuais ou desbloqueiam fases mais avançadas quando os jogadores indicam amigos.

11. Bring Your Own Device (BYOD)

BYOD, em português “traga seu próprio aparelho”, é uma tendência que já começou nas empresas, consistindo no hábito de levar para o trabalho notebooks, smartphones, tablets e outros equipamentos eletrônicos para a execução de tarefas profissionais.

Isso trouxe novos desafios e maior necessidade de uma gestão de pessoas eficaz e atuante junto à área tecnológica, pois é preciso estar alerta a essas mudanças para traçar estratégias que permitam aos gestores lidar com o novo cenário. Afinal, até 2020, graças a todas as tendências listadas acima, o BYOD certamente crescerá e se tornará rotina nas grandes corporações.

Tal ponto pode ser vantajoso em termos de custos para as empresas, que poderão economizar com equipamentos. Em contrapartida, as ameaças de segurança de dados poderão crescer e exigir investimento com treinamento e soluções de proteção contra ataques virtuais. Por falar nisso, a previsão da Cisco no campo de segurança da informação é de aumento desses eventos, com cerca de 17 milhões de ataques DDoS em 2020, sendo que em 2015 foram 2,6 milhões (os registrados).

Devido a todos os pontos listados acima, é importante estar atento a essas inovações da Internet para aproveitar os benefícios que as novas tecnologias e comportamentos trarão, de modo que seja possível até otimizar a gestão empresarial do negócio. Além, é claro, de também proteger a empresa.

Achou interessante essas 11 tendências no mercado de Internet até 2020? Que tal assinar a nossa newsletter e ficar por dentro de mais conteúdo como este?

2 Comentários

  • André Santos
    2019-01-20 19:53:06 Responder

    Muito bom, Parabéns!!!

    Taís Teixeira
    2019-01-23 17:06:36 Responder

    😃Obrigada André!!😃

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *